Resenha - O Oceano no Fim do Caminho

Você conhece Neil Gaiman? Neil Richard Gaiman é um autor de romances e quadrinhos (como Sadman) inglês. Vive em Minneapolis, Estados Unidos e é casado com Amanda Palmer, da banda Dresden Dolls. No início de sua carreira, Gaiman foi rejeitado diversas vezes por editores, por isso adotou o jornalismo como meio de fazer conexões que ele esperava que ajudassem a ser publicado mais tarde, então começou entrevistando pessoas e fazendo críticas literárias. Ele é o autor de Coraline (que foi até transformado em adaptação cinematográfica) e O Oceano no Fim do Caminho.


Tudo começa com um garotinho, de 7 anos que durante toda a história seu nome não é revelado, e que mora no interior da Inglaterra. Sua família está passando por problemas financeiros e resolvem alugar um quarto da casa para ver se ajuda nas dívidas. Eles acabam alugando para um sul-africano, tudo parece bem a partir do momento em que ele não tem mais dinheiro para pagar e acaba se suicidando, mas ele resolve fazer isso com o carro da família. No lugar em que ele abandonou o carro tem uma fazenda, chamada Hampstock, em que vivem 3 mulheres e que é onde toda a magia e fantasia do livro vai começar. 

Este garotinho vive com a sua "babá", chamada Ursula Monkton, que é meio que a vilã da história, com sua mãe e seu pai. Após o acidente, o garoto começa a frequentar mais a fazenda e começa uma amizade com uma das 3 mulheres que lá vivem, na verdade é uma jovem menina com alguns anos a mais que o garoto, se chama Lettie, que vive com a sua mãe Sra. Hampstock e a velha Sra. Hampstock. Essas mulheres são muito misteriosas e enigmáticas, deixando um ar de dúvida à cada página virada, o que assusta um pouco o menino, mas logo se acostuma.

Neil Gaiman, o autor do livro.
Com o passar do tempo, coisas estranhas acontecem na localidade em que vivem, e Lettie, junto com o menino, tentam descobrir o que é e tentam resolver o problema. Em uma de suas jornadas, eles encontram um lago, que fica bem próximo à fazenda, Lettie o chama de "Oceano", pois é isso que ela vê, como se fosse um mar cheio de curiosidades, o que dá nome ao título do livro. O livro é bastante fantasioso, e no começo parece ser um pouco infantil, mas não é, porque logo depois você irá entender o verdadeiro sentido da coisa, o quebrar do medo. 

A história às vezes parece ser uma auto-biografia do autor a partir do momento em que ele oculta os nomes das personagens (o garotinho, a Sra. Hampstock e a velha Sra. Hampstock). Um livro incrível que não deve ser deixado de lado, que ajuda a superar seus medos e que te faz refletir sobre a vida e o mundo ao seu redor.

Resenha por: Filipe Esteves
Editora: Intríseca

Share on Google Plus