NOVO TRECHO - THE TRIALS OF APOLLO

Leia abaixo um trecho do capítulo 3 de The Trials of Apollo, Book One, The Oracle Oculto. Apollo (como Lester), o narrador, e seu ajudante semideus Meg estão em Manhattan, a caminho para o apartamento de Percy Jackson. Eles precisam de sua ajuda para chegar no Acampamento Meio-Sangue, o campo de treinamento para os semideuses em Long Island.



Nós viramos para o leste em oitenta graus na segunda avenida.

No momento em que chegamos a Segunda Avenida, o bairro começou a parecer familiar - linhas de low-rise edifícios e apartamentos, lojas com aparência mal acabada, lojas de conveniência e restaurantes indianos. Eu sabia que Percy Jackson viveu por aqui em algum lugar, mas as minhas viagens através do céu na carruagem só tinha me dado algo parecido com uma orientação do Google Earth. Eu não estava acostumado a viajar no nível street view. Não estava acostumado a andar por essas ruas. Além disso, nesta forma mortal, minha memória impecável tinha se tornado. . . falha. Medos e necessidades mortais nublando meus pensamentos. Eu queria comer. Eu queria usar o banheiro. Meu corpo está ferido. Minhas roupas fedidas. Senti como se meu cérebro tivesse sido recheado com algodão molhado. Honestamente, como você ... como os seres humanos conseguem suportar isso? Depois de mais alguns blocos, uma mistura de granizo e chuva começou a cair. Meg tentou pegar algumas em sua língua, que eu pensei que poderia ser uma maneira muito ineficiente para obter um copo de água suja. Eu tremia e me tentava me concentrar em pensamentos felizes: as Bahamas, as nove musas em perfeita harmonia, os mais diversos lugares que poderia visitar, quando me tornasse um deus novamente. Mas no momento só podia lidar com os machucados causados por aqueles marginais, eu ainda me pergunto sobre seu chefe e como ele sabia onde eu iria cair na terra. Nenhum mortal poderia ter  esse conhecimento. Na verdade, quanto mais eu pensava sobre isso, eu não vejo como  um deus (além de mim) poderia prever o futuro com tanta precisão. Afinal, eu tinha sido o deus da profecia, mestre do Oráculo de Delfos, distribuidor das mais altas sneak previews de qualidade do destino, acumulando assim muitos inimigos. Uma das consequências naturais de ser tão incrível é que eu atraiu a inveja de todos ao redor. Mas eu só conseguia pensar em um adversário que pode ser capaz de prever o futuro. E se ele veio me procurar no meu estado enfraquecido ... É melhor eu afastar esse pensamento. Eu tenho o suficiente para me preocupar. Nenhum deles é de me assustar até morte pelo que fiz.
Nós começamos a procurar ruas laterais, verificando nomes em caixas de correio de apartamentos e painéis de intercomunicação. O Upper East Side tem um número surpreendente de Jacksons. Descobri da maneira mais irritante. Após várias tentativas falhas, virar uma esquina aqui e lá - estacionado sob um carro - vi um modelo de Prius azul desgastado. Seu capô trazia as marcas inconfundíveis de cascos de Pégaso. (Como eu estava certo? Eu sei reconhecer marcas de cascos. Também de cavalos normais, não andar sobre Toyotas mostra o estrago que um pégaso pode fazer.) - "Aha" Eu disse a Meg. "Nós estamos chegando perto". Metade de um quarteirão para baixo, eu reconheci o edifício: uma casa geminada de tijolo de cinco andares com unidades de ar condicionado enferrujados nas janelas. "Voilà!" Eu subi os degraus da frente, Meg parou como se ela tivesse corrido em uma barreira invisível. Ela olhou de volta para a Segunda Avenida, seus olhos escuros turbulentos. "O que há de errado?" perguntei. "Pensei que eu os vi novamente." Meg respondeu "Eles?" Eu segui seu olhar, mas não vi nada de anormal. "Os bandidos do beco?" "Não. Par de . . . " Ela balançou os dedos. '' As manchas brilhantes, aquelas figuras, vi elas novamente na avenida do parque" Meu pulso aumentou de um ritmo andante para uma corrida. "Figuras brilhantes? Por que você não disse nada?" Ela limpou seus óculos. "Eu vi um monte de coisas estranhas. Te disse isso. Na maior parte, as coisas não me incomodam, mas. . . "" Mas se eles estão nos seguindo " disse eu " isso seria ruim. "Olhei para a rua novamente. Eu não vi nada de errado, mas eu não duvido, Meg tinha visto manchas brilhantes. Muitos espíritos poderiam aparecer dessa forma. Meu próprio pai, Zeus, uma vez tomou a forma de uma figura brilhante para cortejar uma mulher mortal. (Como a mulher mortal descobriu que isso era atraente? Eu não tenho ideia.) "Devemos entrar", eu disse. "Percy Jackson vai nos ajudar." Meg estava nervosa e evitou subir os degraus. Ela não tinha mostrado nenhum medo enquanto atirava lixo em assaltantes num beco sem saída, mas agora ela parecia estar tendo dúvidas sobre a tocar uma campainha. Ocorreu-me que ela poderia ter conhecido outros semideuses. Talvez essas reuniões não tinha ido bem. "Meg", eu disse, "Eu percebo alguns semideuses não são bons. Eu poderia dizer-lhe histórias de todos os que eu tive que matar ou transformar-se em ervas, coloque ervas entre as aspas. "Mas Percy Jackson sempre foi confiável. Você não tem nada a temer. Além disso, ele gosta de mim. Ensinei-lhe tudo o que sabe." Ela franziu a testa. "Você ensinou?" Eu encontrei sua inocência, um ponto charmoso. Tantas coisas óbvias que ela não sabia. "Claro. Agora vamos subir. " Toquei a campainha. Alguns momentos depois, a voz distorcida de uma mulher respondeu: "Sim?" "Olá", eu disse. "Este é Apolo." estática ". O deus Apolo " eu disse, pensando que talvez eu deveria ser mais específico. "É a casa do Percy?" Mais estática, seguido por duas vozes em uma conversa baixinha. A porta da frente abriu. Eu empurrei. Pouco antes de entrar, eu peguei um flash de movimento pelo canto do meu olho. Olhei para baixo da calçada, mas novamente não vi nada, além de um reflexo. Ou um turbilhão de granizo. Ou talvez tivesse sido uma gota brilhante. Meu couro cabeludo formigava com apreensão. "O quê?", Perguntou Meg. "Provavelmente nada." Forcei um tom alegre. Eu não queria que Meg ficasse do lado de fora quando estávamos tão perto de alcançar a segurança. Estávamos unidos agora. Ela teria que me seguir agora, não poderia ficar no beco com ela para sempre. "Vamos subir. Nós não podemos manter os nossos anfitriões esperando. "Depois de tudo que eu tinha feito para Percy Jackson, eu esperava prazer na minha chegada. Uma recepção chorosa, algumas holocaustos e um pequeno festival em minha honra não teria sido nada errado. Em vez disso, o jovem abriu a porta do apartamento e disse: "Oi?" Como de costume, fiquei impressionado por sua semelhança com seu pai, Poseidon. Ele tinha os mesmos olhos verde-mar, o mesmo cabelo desgrenhado escuro, as mesmas características consideráveis ​​que poderia mudar de humor à raiva tão facilmente. No entanto, Percy Jackson não favoreceu no traje escolhido por seu pai, calções de praia e camisas havaianas. Ele estava vestido com uma calça esfarrapada e um moletom azul com as letras AMS costurada na frente. Meg avançou de volta para o corredor, se escondendo atrás de mim e tentou um sorriso. "Percy Jackson, minhas bênçãos sobre você! Eu estou precisando de ajuda. "Os olhos de Percy correu de mim para Meg. "Quem é sua amiga?" "Essa é Meg McCaffrey," eu disse, "Uma semideusa que deve ser levada para o Acampamento Meio-Sangue. Ela me salvou de vândalos da rua " "Salvei. . . " Percy encarava meu rosto machucado. "Você quer dizer que o visual ''adolescente" não é apenas um disfarce? Cara, o que aconteceu com você? "" Eu acho que acabei de ter mencionado os bandidos de rua. "" Mas você é um deus. "" Sobre isso. . . Eu era um deus. "Percy piscou. "Foi?" "Além disso," eu disse, "Estou bastante certo de que estamos sendo seguidos por espíritos maliciosos." Se eu não soubesse o quanto Percy Jackson me adorava, eu teria jurado que ele estava prestes a me socar no nariz já quebrado, mas ele apenas suspirou. "Talvez vocês devem vir para dentro."

Fonte: USATODAY
Tradução livre: O Vicio Olimpiano 
Share on Google Plus